Buenos Aires é uma cidade latina maravilhosa, sempre muito procurada pelos brasileiros e até a algum tempo atrás muito barata também. No entanto, a troca de Governo e a crise mundial afetaram em muito a economia do país e quem for recentemente até a capital portenha verá que os preços aumentaram e muito, não só nos restaurantes, mas também no comércio num geral.

Pensando nos viajantes que, como eu, gostam de viajar muito e por isso querem gastar pouco, damos dicas imprescindíveis para economizar em Buenos Aires e ao mesmo tempo aproveitar o que a cidade tem de melhor.

Minha viagem aconteceu agora em Julho de 2016, logo, todos os preços e o câmbio aqui mencionados são desse período.

A primeira dica para economizar em Buenos Aires é levar reais e trocar o mínimo de dinheiro possível no Banco de la Nación nos aeroportos, já que está com uma cotação bem ruim com relação às casas de câmbio. Ali perto da rua Florida, descobrimos o Banco Piano S.A, que possuía uma cotação melhor do que as casas de câmbio ali do centro e que não exigia um mínimo de reais para a compra de pesos. Esse banco fica na calle (rua) San Martin 347, para quem quiser ir lá trocar seu dinheiro.

Banco Piano S.A

A minha segunda dica para economizar é escolher uma alternativa de hospedagem mais barata, no nosso caso, preferimos procurar um apartamento no Airbnb. Essa rede social de aluguéis por temporada, é uma escolha interessante para quem quer cozinhar ao invés de só comer em restaurantes e para quem quer ter a liberdade de se sentir em casa e ter acesso a facilidades como uma máquina de lavar. Aqui, darei os preços de quanto gastei em cada coisa, para que vocês possam ter uma ideia detalhada dos pormenores financeiros.

Eu e meu namorado conseguimos fechar 9 dias no airbnb por 1153 reais, aproximadamente, em um apartamento situado em Palermo, com quarto, sala, banheiro e cozinha. O imóvel era muito bem localizado e muito bem equipado com cafeteira, espremedor de sucos e todos os utensílios de cozinha. Esse preço, incluía uma faxina gratuita 1 vez na semana, já que permaneceríamos por mais de 7 dias no local. O preço da diária, nesse caso, saiu por então 128 reais o casal. No entanto, temos que incluir também o preço do gasto do café da manhã, que tivemos que comprar no supermercado local. O preço gasto em 8 dias de café da manhã (para um casal, que incluía torradas, iogurte, suco de laranja, café com leite e alguma fruta) e com 3 refeições que cozinhamos no apartamento, deu em torno de 240 reais. Se diluirmos os 240 reais pelos 8 dias, temos um gasto de 30 reais por dia. Logo, é como se a hospedagem tivesse custado ao todo com café da manhã menos de 158 reais.

A terceira dica para economizar, por incrível que pareça, é peguem uber em Buenos Aires ao invés de táxi, principalmente se você não estiver viajando sozinho. Para vocês terem uma ideia da diferença de preços entre táxi e uber, vou mostrar quanto gastei em transporte num geral. Do aeroporto de Ezeiza até o apartamento em Palermo, tivemos que pegar o táxi oficial do aeroporto, pois o uber ainda não busca passageiros por lá. E infelizmente, pagamos 170 reais de táxi (ou 580 pesos), já que não tínhamos pesos e apenas reais, pagando assim na cotação da empresa de táxi que era de 3,3 pesos para 1 real (a mesma cotação inclusive do Banco de La Nación). Na volta para casa, quando pedimos o uber para o aeroporto, pagamos um total de 277 pesos mais 40 pesos do pedágio, o que deu um total de 317 pesos.

Agora, vamos ao gastos com Uber durante os 8 dias para um casal. Nós pegamos em torno de 3 ubers por dia em média, pois tinha dias que chegamos a pegar mais que isso e outros dias menos. Para todos esses dias, sem contar com aeroporto, gastamos 357 reais, para o casal, o que deu um total de 45 reais por dia. Para terem uma ideia do preço das corridas, a mais barata custou 38 pesos, o que daria em torno de 9 reais (de 7 minutos de duração) e a mais cara deu 142 pesos, mais ou menos 33 reais (de 46 minutos de duração).

P.S.: Todos os valores gastos com uber, já foram calculados com o IOF de 6,38% do cartão em pesos. No entanto, vale frisar que o preço final em reais vai variar de acordo com a cotação do câmbio do seu cartão de crédito ,já que cada cartão possui uma fórmula diferente para calcular a taxa de câmbio.

Ainda com relação ao Uber, você precisará ter internet no celular, e logo, deixo aqui as três formas das quais fizemos para conseguir. A primeira foi comprar um chip da movistar para celular em um quiosque deles na Galeria Pacífico, que era uma pechincha, algo em torno de 50 pesos. Depois, fomos instruídos a colocar uma carga em um dos “Kioscos” que tem em todos os lugares em Buenos Aires e que nos daria o direito de usar 50MB por dia de internet.

movistar-chip
Chip da Movistar

Detalhe é que não achávamos sinal em vários lugares e assim tínhamos que buscar algum sinal de wi-fi.O que nos faz pular para a segunda e terceira forma de conseguir internet, que era usar o wi-fi de algum café ou restaurante (quase todos em Buenos Aires têm wi-fi) ou tentar usar a própria internet liberada que tinha em várias ruas em Buenos Aires, principalmente nas avenidas principais.

Quarta dica, e não menos importante, tente cozinhar, se puder, ao invés de comer em restaurantes em Buenos Aires ou ao menos, alterne entre os 2. A capital portenha, apesar de contar com uma variedade incalculável de restaurantes, todos estão com preços altíssimos, até mesmo para os padrões brasileiros. Uma alternativa, é aproveitar os belíssimos parques gratuitos que Buenos Aires tem a oferecer, para fazer piqueniques. E é importante lembrar, que por lá a boa é beber sempre vinho, pois são muito baratos e de boa qualidade.

Jardim Botânico (em Palermo)
 
Parque 3 de Febrero (em Palermo)

Agora se você quer ter uma ideia de quanto gastamos com comida, deixo aqui o preço da refeição mais barata que fizemos que deu 307 pesos mais a propina (gorjeta), algo em torno de 80 reais na melhor cotação em dinheiro. O nosso pedido foi uma pizza média, 2 sucos de laranja e uma água no restaurante e pizzaria “Los imortales”. Já o restaurante mais caro, que foi em Puerto Madero, o Paraloccia Casa Tua, pagamos 915 pesos (mais ou menos 210 reais com a cotação do cartão) em um prato de massa com frutos do mar e em outro de tagliatti com camarão. Para beber pedimos uma água e uma garrafa de vinho que foi meio carinha (em torno de 300 pesos), que pedimos em vista da promoção de podermos levar outra garrafa para casa.

Restaurante e Pizzaria Los Inmortales
Restaurante e Pizzaria Los Inmortales
Restaurante Parolaccia Casa Tua
Restaurante Parolaccia Casa Tua
Restaurante Parolaccia Casa Tua
Restaurante Parolaccia Casa Tua

Como vocês puderam ver, comer em bons restaurantes em Buenos Aires não é nada barato, por isso optamos por fazer uma sopa tipo uma cazuella, com carne, massa e legumes, que pudemos comer em 3 refeições e que saiu por uma bagatela de 200 pesos ( em torno de 50 reais) comprando os ingredientes no carrefour. Valeu a pena e ainda nos fez economizar 3 dias de restaurante!

Carrefour em Palermo

Quinta e última dica, se a cotação do seu cartão for boa, faça como eu e compre mais pelo cartão do que no dinheiro. Primeiro porque, mesmo com o IOF, você pode ficar com uma cotação melhor do que a do câmbio lá, se você não levar em conta os lugares que dão desconto para compra em efectivo (dinheiro). Segundo, porque assim você evita pegar notas falsas ao pegar o troco de algo que você tenha comprado. Eu, por exemplo, procurei dar apenas as gorjetas em dinheiro, de resto procurei pagar tudo no cartão. E terceiro, porque você evita os transtornos de ficar carregando muito dinheiro e pra cima e baixo.

Vou ficando por aqui, mas quem quiser acompanhar as próximas postagens sobre Buenos Aires, fiquem atentos que falarei sobre os restaurantes em Buenos Aires e o preço de cada lugar. E se você quer saber mais sobre a cidade, não deixe de conferir nosso post Buenos Aires: do clássico ao hype.

Por: Madame Schirmer

Uma apaixonada por viagens, história, culinária e cervejas.

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *