Niterói: um roteiro turístico


Niterói é uma cidade belíssima, que tem crescido bastante nos últimos anos, a ponto de atrair os turistas que visitam o Rio, por ser vizinha da capital do estado. Com isso, tem recebido muitos eventos gastronômicos, de artesanato, moda e até mesmo de carros antigos.

Visitar Niterói vale a pena, não só para conhecer um dos belos engenhos arquitetônicos criados pelo mestre Niemeyer, que é o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, mas também para visitar suas praias deslumbrantes (que alguns dizem serem melhores que as do Rio) e também provar um pouco de sua variada gastronomia.

Segue abaixo uma lista dos lugares para turistar na Cidade Sorriso:

1-Museu de Arte Contemporânea (MAC)

Esse museu que se encontra no bairro da Boa Viagem, é um dos cartões postais da cidade. Foi construído em formato de disco voador por Oscar Niemeyer e vive recheado de eventos, além das exposições de artistas contemporâneos. Em alguns fins de semana costuma sediar a Feira de Troca Cultural e algumas vezes conta também com exibições de filmes. O museu possui ainda um bistrot e um espaço para venda de souveniers, livros e camisetas.

O local é também perfeito para quem quer tirar fotografias incríveis da paisagem e da arquitetura do local, e não é a toa que muitos ensaios fotográficos são feitos ali.

Paisagem do MAC
Blogueira no MAC
MAC visto a distância
Dentro do MAC

2-Museu do Ingá

O museu do Ingá fica situado no palacete Nilo Peçanha, que é a antiga sede do governo do antigo estado da Guanabara, quando Niterói ainda era a capital do estado. O acervo do museu é formado por obras de artistas brasileiros dos séculos XIX e XX, e objetos que faziam parte do próprio palacete.

O museu está aberto de terça a domingo, de 12:00 às 17:00, exceto nos fins de semana e feriados em que abre a partir de 13:00. A entrada é gratutita.

3- Museu Janete Costa de Arte Popular

O museu Janete Costa inaugurado há poucos anos (em 2012), também no bairro do Ingá, está situado em um sobrado do século XIX do estilo neoclássico. O foco do museu é a divulgação da arte popular e tem seu nome retirado de uma importante pesquisadora e especialista da área, Janete Costa.

As visitas ao museu são gratuitas e se encontra aberto de terça a domingo.

4- Museu Antonio Parreiras

O museu Antonio Parreiras se situa na antiga casa do famoso pintor niteroiense que leva o nome do museu. Além da casa do pintor, há também o seu atelier que atualmente funciona como espaço expositivo e e a casa da filha de Parreiras que é a reserva técnica do museu.

Parreiras ficou conhecido no Brasil como um pintor impressionista e teve um papel importante na pintura de paisagem ao ar livre, pois foi integrante do grupo de paisagistas que se denominavam Grupo Grimm, liderado pelo pintor Georg Grimm. Além de obras de Parreiras, o museu também exibe uma coleção de pinturas que vão do século XVI ao XX, de pintores brasileiros e estrangeiros, tais como: Georgina Albuquerque, Eliseu Visconti e Nicolau Antonio Facchinetti.

5- Museu de Arqueologia de Itaipú

A sede do museu se situa nos remanescentes de um prédio do século XVIII, o convento chamando  Recolhimento de Santa Tereza, que era o local onde ficavam tanto as mulheres que resolveram seguir a vida religiosa, como órfãs, prostitutas, viúvas e mulheres que haviam engravidado ou mantido romance antes do casamento, e as e filhas e mulheres dos chefes de família,  quando estes iam se ausentar por muito tempo de casa.

O acervo do museu é formando principalmente por vestígios dos povos pré-históricos chamados sambaquis que viviam no litoral fluminense antes de 1500.

6-Solar do Jambeiro

O solar do Jambeiro, é um engenho da arquitetura do séc.XIX e foi construído em 1872 e era conhecido no passado como Palacete Bartholdy. Situado em uma antiga chácara, atualmente serve como espaço expositivo e de apresentações de dança, música e teatro.

Vale a pena ir não só para desfrutar da beleza do local, que conta com diversas árvores e bancos para sentar, assim como uma estufa de flores, como para assistir a alguma peça e/ou ver alguma exposição.

Estufa no jardim do Jambeiro

7-Caminho Niemeyer

O caminho Niemeyer foi construído com o objetivo de ser um complexo de grande beleza arquitetônica para abrigar um novo centro turístico na cidade, e é formado pelas seguintes construções: Centro de Memória Roberto Silveira, Fundação Oscar Niemeyer, Teatro Popular, Praça JK, Centro de Cinema Petrobras, Museu de Arte Contemporânea e a Estação Hidroviária de Charitas, sendo que alguns desses espaços ainda não foram concluídos.

No Teatro Popular, inclusive, é que vamos encontrar diversos eventos que acontecem em Niterói, como a feira gastronômica de food truck, a Feira Planetária. Esse evento  acontece de tempos e tempos em Niterói e sempre lota, já que possui uma mega variedade de comidas, bebidas e muita música, o que atrai muita gente. Para quem quiser ir na sua próxima edição pode conferir mais informações no site da Feira Planetária.

Teatro Popular
Feira Planetária no Caminho Niemeyer
Pôr-do-sol no caminho Niemeyer
Paisagem do Teatro Popular
Complexo do Caminho Niemeyer
 
Parte de trás do Teatro Popular

8-Campo de São Bento

Um ótimo lugar para levar as crianças ou pra ir em casal. É uma espécie de parque público/praça com laguinho, coretos, e uma pista para andar de patins, skate, patinete, etc…Possui uma área de playground e alguns brinquedos pagos, mas com o ingresso barato, dentre eles o auto-pista que agrada também os adultos.

Nos fins de semana o lugar recebe uma feira de artesanato, com diversas barracas que também vendem comida e quadros de pintores que vem expor suas obras.Dica boa é tomar uma água de coco em alguma das barracas ou experimentar o delicioso caldo de cana com pastel que já é famoso por aquelas bandas. Ou ainda, visitar alguma exposição no Centro Cultural Paschoal Carlos Magno perto da saída que dá para Igreja.

Pedaços de uma antiga embarcação
 
Lagoinha dos patos

9-Fortaleza de Santa Cruz da Barra (conhecida apenas como Fortaleza Santa Cruz)

Essa importante fortaleza se encontra no bairro de pescadores de Jurujuba, e foi construída em 1555, para ser uma das principais defesas da baía de Guanabara e do Rio de Janeiro. As visitas guiadas do forte, atualmente são feitas de hora em hora e têm duração de aproximadamente 45 minutos,  na qual um militar treinado contará um pouco dos acontecimentos importantes que se deram na fortaleza. No entanto, infelizmente são poucas as informações que dão a respeito de alguns períodos da história e vale a pena complementar as informações dadas lá com uma pesquisa por fora, já que não é mencionado muita coisa a respeito do próprio uso que se fizeram das prisões da fortaleza no período da ditadura ou ainda a respeito da famosa “Cova da Onça”, que não é sequer mencionado mais nos passeios.

A entrada custa 10 reais a inteira, mas existe meia entrada e isenção para algumas pessoas. Quem quiser pode conferir no site da Fortaleza Santa Cruz mais informações.

Um dica para se chegar ao lugar, que é de difícil acesso, é ir de carro ou de táxi, mas se não puder, existe um único ônibus que deixa lá. Esse ônibus , que sai do terminal no centro de Niterói, é o de número 33 da Viação Miramar e possui horários de saída específicos, e não é qualquer 33, ele possui uma identificação dizendo que vai para a fortaleza. Se quiser conferir os horários de saída,o site acima também tem essas informações.

Áre externa a fortaleza
Interior da fortaleza
Vista do entorno
Fortaleza vista de Jurujuba

10-Parque da Cidade

O Parque da Cidade fica no bairro de São Francisco e é uma zona de proteção ambiental e que muitos escolhem para pular de parapente devido aos seus 270 metros de altura. A vista lá de cima é de tirar o fôlego e proporciona fotos incríveis de boa parte de Niterói e do Rio de Janeiro.

No parque é possível também tomar um café da manhã com essa vista no restaurante Sierra e Mar que oferece um bufê livre por um preço fixo. No entanto, o café da manhã só acontece aos sábados, domingos e feriados de 8:30 a 12:30.

Vista do Parque da Cidade
Carlos e Daiane na pista de parapente
Vista da cidade
 

11-Igreja de São Francisco Xavier

Essa igreja do século XVII, foi construída em 1622 pelos jesuítas e é uma das mais antigas do Brasil. Foi tombada pelo IPHAN em 1938 e possui uma escultura em pedra-sabão atribuída a Aleijadinho. Do lado de fora fica um relógio de sol voltado para o nascente, com o emblema da companhia de jesus.

Quem tiver interesse em visitar a igreja, deve ficar atento aos dias e horários em que está aberta, que são de segunda à sexta de 9h às 18h e aos sábados das 9h à 12:00h

Vista Igrejinha de São Francisco
Igreja de São Francisco Xavier

13-Praia de Itacoatiara

A praia de Itacoatiara se encontra na região oceânica de Niterói e é uma das mais limpas e belas da região, apesar de suas ondas serem um pouco ferozes às vezes. Itacoatiara não possui a mesma estrutura de Camboinhas, que é cheia de quiosques e mesas com guarda-sóis, mas em matéria de beleza e cor da água, sem sombra de dúvidas que Itacoatiara vence. Ela é dividida em 2 partes, a que chamam de praiona, parte aberta que dá direto para o mar, e a prainha, que é altamente recomendada para as crianças e que é uma parte da praia do tipo enseada em que se forma uma espécie de lagoinha, com águas mais calmas.

Por lá é possível também fazer uma trilha escalando o famoso “Costão”, que é a pedra que dá para a praia. No entanto, é preciso estar preparado, pois o Costão é um pouco íngreme e a trilha pode levar até 1 hora ou mais para ir e voltar. No entato, quem já escalou diz que a vista lá de cima faz valer a pena todo o esforço.

Costão de Itacoatiara
Vista do Costão
 

14-Praia de Camboinhas

A praia de Camboinhas se situa em um bairro de luxo cheia de casarões lindos, mas diferente de Itacoatiara, o acesso por ônibus é difícil, sendo mais recomendado para quem tem carro ou vá de táxi. A praia é muito bonita e extensa, e fica cheia de quiosques na orla onde é possível escolher um ,tanto para petiscar, como para almoçar ou tomar umas cervejinhas ou drinks. No entanto, o preço pode ser um pouco salgado, mas vale a pena procurar um quiosque mais em conta se você não quer gastar muito, pois os preços da comida variam bastante.

É melhor que Itacoatira com relação a estrutura, pois existem várias barracas que oferecem mesas (que geralmente já estão dispostas na areia) e cadeiras para os visitantes (e de graça!). Mas, com relação a cor e aspecto da água, com certeza Itacoatiara é mais bonito, já que o mar por lá possui um azul espetacular, apesar do mar ter ondas bem mais fortes.

15- Horto Florestal do Fonseca

O Horto Florestal de Niterói abrigou durante muito tempo um pequeno zoológico, que era muito visitado pelos moradores da cidade. No entanto, pela precaridade do lugar, este foi fechado, assim como o próprio Horto para ser revitalizado. Mas já em agosto do ano passado (2015), o Horto foi reaberto e atualmente conta com ótimas programações culturais e desportivas. O local agora virou uma área de lazer com pistas de patins, skate e caminhada, playground, quiosques e bicicletários. Um ótimo lugar para levar as crianças ou fazer um pequenique!

Entrada do Horto
Barraquinhas do Horto
 
Quadra de esportes
Orquidário e Bromeliário
Aluguel de quadriciclos(R$15,00- 20 minutos)
Prédio histórico

16- Ilha da Boa Viagem

Essa ilha que fica bem pertinho do Museu de Arte Contemporânea, foi recentemente reaberta, depois de mais de 20 anos fechada, após a restauração da ponte de 105m que dá acesso à ilha.O local tem alguns importantes conjuntos arquitetônicos de valor histórico tombados pelo IPHAN: a bateria da marinha (conhecido como Forte da Boa Viagem), construído entre 1690 e 1702, e a Igreja da Ilha da Boa Viagem construída em 1650. Além disso, é um importante retrato do passado, já que até o calçamento de pedras pé de moleque construído por escravos no século XVII permanece intacto.

Quem quiser visitar o local deve ficar atento aos horários das visitas guiadas que acontecem às 9:00h, às 11:00h, às 14h e às 16:00, todo fim de semana e feriados. Já para quem quiser assistir uma missa na igrejinha, elas ocorrem sempre no quarto domingo do mês às 10 da manhã.

Visão da Ilha de Boa Viagem
Barquinhos de pesca
Ponte que leva a ilha

Por: Madame Schirmer

Uma apaixonada por viagens, história, culinária e cervejas.

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *